A Médica Veterinária - Jornal Animal

Busca
Ir para o conteúdo

Menu principal:

A Médica Veterinária

Colecionador > Parte 3
Sergio Valério
 
Desde criança, ela sonhava cuidar de animais. Ainda com sete anos, viu seu cãozinho ir embora, acometido que foi por uma doença que o levou em poucos dias.
Já adolescente, não podia ver animais nas ruas que queria levá-los para a sua casa para cuidar deles.
A medicina veterinária foi a carreira escolhida por ela. Formada, doutora, exerceu sempre a sua profissão com o máximo carinho e atenção, despertando nos donos dos animais que por ela passam, um sentimento de gratidão pela maneira com que sempre tratou todos os pets que passaram pelo seu consultório.
Anos e anos se foram e a doutora, hoje aposentada, vive em seu apartamento e todos no prédio onde mora, gostam demais dela.
Por suas mãos passaram tantos animais e em todos eles, ela via o seu querido cãozinho Lulu, procurando diagnosticar da forma a mais precisa possível, para que o animal continuasse a viver, com a melhor qualidade de vida possível.
Em cada cachorro, ela enxergava a possibilidade da esperança, mesmo em casos onde a cura parecia impossível.
Em cada gatinho que avaliava, procurava com os seus conhecimentos e sensibilidade, a melhor forma de devolvê-lo à saúde, para que pudesse, não só realizar a alegria de seu dono, mas também que o próprio gatinho pudesse desfrutar do dom da vida que Deus havia lhe dado.
Um dia, um homem também saiu pelo mundo distribuindo sabedoria e cura e mesmo assim, não foi entendido e, desta forma, com ela também não foi diferente, em alguns casos a perda inevitável de um animal, causou em seu dono, a sensação de que ela havia falhado, porém jamais foi assim.
Ela não se descuidou nem por um segundo, em sua missão de salvar os animais das dores e sofrimentos e, por eles dedicou toda a sua vida, até em detrimento do tempo para a sua própria vida pessoal e quantas vezes chorou quando, mesmo agindo corretamente no tratamento, acontecia de perder um animal.
Hoje, rendemos a homenagem a ela, assim como a todos os médicos veterinários que fazem de sua vida, o instrumento para cuidar das vidas dos nossos queridos animais.
Às cinco da tarde, quando ela passar por você, levando o seu animal para passear pelas ruas de São Paulo, abra um sorriso, cumprimente-a e peça a Deus que cuide dela com o mesmo carinho que ela cuidou de tantos Lulus e Mimis.
 
Busca
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal