O Desaparecimento - Jornal Animal

Busca
Ir para o conteúdo

Menu principal:

O Desaparecimento

Colecionador > Parte 1
Sergio Valério
 
A porta se abriu e Naná saiu correndo em direção à rua. Joana nem teve tempo de correr até a porta e a cachorrinha já estava em plena disparada pela calçada!
A mulher desesperou-se. Gritando o nome de Naná, saiu de casa tentando alcançar a cachorrinha...
Minutos depois, os olhos de Joana percorriam as ruas e, sem saber mais o que fazer, ela corria de lá para cá, tentando encontrar aquela que era a alegria da casa.
Em nenhum lugar ela encontrou Naná. Os dias se passaram, os meses também, cartazes foram distribuídos pelo bairro, fotos foram colocadas nas redes sociais da internet e tudo parecia inútil: - A cachorrinha desaparecera.
         A família ficou totalmente desestruturada. O pai, Daniel, evitava tocar no assunto. A filha, Sílvia, de sete anos de idade, chorava todas as noites e Joana não sabia mais o que fazer.
         O desaparecimento de Naná havia acontecido no dia 15 de janeiro de 2012 e de lá para cá, todas as possíveis tentativas haviam sido feitas para se buscar pistas para encontrar a cachorrinha que tinha apenas um ano de idade quando do seu desaparecimento.
         No mês de setembro, quando a possibilidade de reencontrar Naná já parecia apenas um sonho, chegou uma notícia no e-mail de Joana.
         Uma mulher havia visto uma cachorrinha, com a descrição feita na internet, em uma rua próxima à Ponte do Limão e Joana não teve dúvidas, ao lado do marido e da filha, foram até lá.
         As luzes da cidade já estavam acesas, pois já era noite na cidade de São Paulo. A Marginal, como sempre, com muitos carros, enquanto helicópteros cruzavam o céu mostrando o trânsito congestionado.
         O coração de Joana batia forte, assim como o de seu marido e de sua filha. Era como se os três corações pulsassem juntos, em um desejo único de reencontrar a cachorrinha.
         De repente, depois de mais de duas horas circulando pela região, a menina gritou: - Olha, mãe!!! É a Naná!!! Daniel, sempre tão calado e voltado para si mesmo, começou a gritar também...
         Joana estacionou o carro e, como se fosse uma cena de cinema, a cachorrinha veio ao encontro da família, pulando nos braços de Sílvia, latindo na mais pura demonstração de alegria!
         A notícia não foi parar nos noticiários dos canais de televisão que exibia naquela hora os desastres e os crimes que aconteciam na cidade, porém a Vida fez um “clic” naquela cena e, em silêncio, enviou uma mensagem para Deus.
         Lá, sabe-se lá aonde, ele, com certeza, sorriu e se sentiu recompensado por ter criado o nosso Planeta Terra.
 Afinal de contas, o amor ainda fazia parte dos corações de seus habitantes e quem sabe um dia, histórias como esta, poderiam ser o grande destaque nos jornais, revistas, rádios e TVs...
 
Busca
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal