O Final - Jornal Animal

Busca
Ir para o conteúdo

Menu principal:

O Final

Colecionador > Parte 2
Sergio Valério

Luisa e Wagner estavam decididos. O divórcio seria o próximo passo. Não havia como retomar aquele grande amor, pois as brigas estavam cada vez mais presentes na vida do casal.
No dia marcado, os dois compareceram para fazer os acertos finais. Wagner foi o primeiro que falou: - O apartamento fica para você. Luisa respondeu: - Está bem. Quanto ao carro, este eu quero que seja seu. Os advogados dos dois sorriram ao mesmo tempo. Era acordo na certa...
E lá foram os dois desfiando os imóveis e os móveis, cada um com a máxima boa vontade: - A casa na praia é sua, Luisa. O apartamento em Campos de Jordão fica com você, Wagner. Os notebooks, os quadros, as bicicletas, os barcos, era só uma questão de anotar.
De repente, Luisa falou: - A Pitoquinha fica comigo. Wagner levantou as sobrancelhas e foi categórico: - Espera aí, a Pitoquinha é minha! Afinal de contas, você se lembra que fui eu que a trouxe para casa?
Luisa nem deixou Wagner terminar a frase e já foi interrompendo: - E quem cuidava dela o tempo todo? Quem levava para vacinar? Wagner, no meio da frase já havia começado a contradizer: - Quem comprava ração? Luisa respondeu: - Quem levava para passear?
A conversa, que antes se desenrolava tranquila, começou a se tornar tensa. Foi aí que Luisa abriu a bolsa, tirou uma foto onde estavam ela, Wagner e Pitoquinha na praça Benedito Calixto, literalmente abraçados os três e falou, quase chorando:
-Você se lembra dessa foto, Wagner? Era um domingo e foi o primeiro dia que saímos para passear com a Pitoquinha! Você me disse que a Pitoquinha viria para selar o nosso amor para sempre... Como você pode querer separá-la de mim? Ela será a única recordação da nossa felicidade!
O rosto de Wagner mudou de cor em questão de segundos. Ele ficou totalmente vencido diante do argumento.
Luisa, percebendo como ficara Wagner, quase que desfalecido, mudou o tom da argumentação: - Bem, eu também acho que ela deveria ficar com você, mas...
Como em uma cena de filme, Wagner abriu os braços e foi em direção a Luisa, com lágrimas nos olhos. Luisa lhe deu um beijo de novela. Nessa hora, a porta se abriu e a cadelinha, aproveitando um descuido da mãe de Luisa, saltou do colo e entrou na sala, pulando nos braços do casal.
Os advogados apertaram as mãos, o juiz bateu o martelo na mesa e chamou: - O próximo caso, por favor!

 
Busca
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal