Richard Rasmussen - Jornal Animal

Busca
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Richard Rasmussen

Celebridades > R
Richard Rasmussen:
“Toda forma de vida é sagrada!”.

No “Domingo Espetacular” da Rede Record, Richard Rasmussen apresenta “Selvagem ao Extremo” que, desde o seu início, se tornou um grande sucesso na televisão brasileira, mostrando viagens de Richard onde ele, de forma hábil, localiza e manipula os bichos, mostrando características e comportamentos de diversas espécies. Ao voltar de uma viagem à África, Richard conversou com o Jornal Animal e nos contou sobre a sua paixão pela natureza e em especial, pelos animais.

A Infância:
Richard relembra o início de sua vida: “Eu nasci em São Paulo, mas fui criado em São Roque, interior paulista, até os 12 anos de idade. Minha mãe, falecida há dois anos atrás, chama-se Patrizia, italiana e meu pai alemão, chama-se Waldemar, conheceram-se vindo ao Brasil e se apaixonaram pelo país, estabelecendo residência nos anos 60. Meus filhos são Isabella, Eric e Lucca. Meu pai era diretor de uma empresa sediada nos EUA e viajava longos meses ao exterior e minha mãe e eu morávamos em uma chácara bem isolada em São Roque onde tínhamos todos os animais domésticos como galinhas, porcos, cavalos, vacas e cabras. Mas o que sempre mais me encantou foram os sapos, insetos e serpentes que circulavam pelo terreno. Os sapos eram muitos e os meus prediletos, passava o dia caçando moscas para poder oferecer a eles que enchiam o terraço da casa todo final de tarde, início de noite. Os animais fizeram parte de toda minha vida, como éramos muito sozinhos onde morávamos e a escola era longe, eu ficava pouco tempo com os amiguinhos da escola e os bichos eram meus companheiros, tanto que desde pequeno, minhas fotos são todas com animais e poucas com gente”.

Domingo Espetacular:
Quisemos saber como foi o caminho para fazer parte deste programa de enorme sucesso na Record. Richard nos diz: “Absolutamente sem querer, através de um convite do Paulo Henrique Amorim para falar sobre répteis no programa jornalístico que ele liderava, o “Tudo a ver”. Levei para ele um sapo, duas serpentes e um lagarto com a intenção de desmistificar estes animais que são tão mal conhecidos. A audiência subiu, ele me convidou para realizar o quadro semanalmente e eu disse que não gostava de ficar levando animais ao estúdio, que preferia ir ao habitat deles para mostrar seus hábitos. Dei a ele um demo de um DVD que tinha sido produzido dois anos antes. O “Tudo a Ver” não tinha recursos para bancar um produto tão caro como é este que demanda uma equipe, viagens, etc. Por sorte, o editor-chefe do programa foi escalado para o “Domingo Espetacular” e o produto foi experimentado lá onde deu super certo”.

O Lar:
Richard nos conta onde mora e como são os seus animais: “Eu moro em uma chácara onde vivo com minha família, um casal de antas, capivaras, emas, ratão do banhado, um cachorro, um cavalo, um casal de quatisum lóris de bornéo. Claro, todos animais legalizados nascidos em criadouros comerciais. A minha vida seria extremamente vazia não fosse a energia que os animais e a natureza me proporcionam. Eles são os meus catalisadores e minha fonte de energia diária. Eu acredito que as pessoas que mantém contato direto com a natureza e conseqüentemente com animais, domésticos ou silvestres, são pessoas com melhor índole e espírito, inclinadas ao bem. Os animais que vivem com a gente são em geral muito tranqüilos, porém cada um tem o seu próprio caráter e personalidade. Atualmente, o Dadls (o lóris) está em uma fase péssima de muito ciúme da Frida, nossa nova cachorra dogue de bordeaux e está bicando a todos e muito bravo. Estamos tentandoeste assunto. Pewee e Madalena, nossas antas, são extremamente dóceis. Tico e Teca, os quatis são super simpáticos, mas só comigo! Teca é extremamente possessiva e só permite meus apertos e colo”.

Os cuidados com os seus animais:
Ele nos conta: “Eu passava muito mais tempo com eles antes e infelizmente quando estamos em casa tentamos dividir o tempo entre todos os animais e os filhos. Animais domesticados necessitam de muita atenção e carinho. Tenho um tratador diário só para tomar conta deles. Esta pessoa é fundamental, pois cuidar de animais domesticados não significa apenas água, abrigo e comida e sim atenção e principalmente muito amor e sociabilização”.

O Ser Humano e os Animais:
Richard reflete e nos dá sua opinião sobre como os animais têm sido tratados: “O ser humano tem melhorado muito sua relação com os animais nos últimos anos. Eu não gosto de exageros em qualquer sentido, nem daqueles que são doentes por animais de modo que o seu animal doméstico passa a ser um bibelô ou daqueles que tratam os animais silvestres como intocáveissagrados abominando os seres humanos. Naturalmente, do outro lado, aqueles que maltratam os animais ou desgostam de sua presença são para mim pessoasperderam sua essência mais básica.forma de vida é sagrada e deve ser respeitada,e homens. Nós somos parte da natureza como são os animais e interagir com respeito comnatureza, animais e plantas, é parte essencial do que somos nós.animais devem ser vistos como eles são, seres vivos como nós, que atravessaram milhões de anos evoluindo e não meros objetos. Devem ser observados com olhos atentos, percebendo suas incríveis e particulares características físicas e comportamentais queque pudessem sobrevivertempos de hoje. Nuncativemos tempos de tantade vida como estamos presenciando nos dias de hoje. O homem atual temprivilégio de partilhar do momentorico da História Natural do planeta”.

Nos próximos dez anos:
O que ele imagina estar fazendo nos próximos 10 anos? Richard faz um mergulho no futuro e nos diz: “Pretendo nos próximos dez anos percorrer todos os cantos de nosso planeta trazendo as imagens e experiências vividas com animais, plantas e povos que ainda vivenciam a natureza nos seus aspectos mais crus e naturais”.

Recados:

De Richard para você, nosso(a) leitor(a):
“O meu recado é muito simples: animais e plantas fazem parte de um todo único do qual nós também somos não só meros espectadores, mas desempenhamos papel fundamental como protagonistas. Estamos entrando em um novo mundo com conceitos muito diferentes de nossos pais. É só observar as mudanças climáticas que estamos presenciando. Comece entendendo o que está acontecendo e faça pequenas mudanças em seus hábitos diários, você estará fazendo não só bem a você mesmo e a seu semelhante como a todo o planeta, animais e plantas”.

Do Jornal Animal para você, Richard:
Em todos os momentos do “Selvagem ao Extremo”, você transparece toda a sua preocupação em mostrar os animais para que todos possam vir a conhecer muito mais sobre eles e desta forma, Richard, você contribui para que todos nós possamos refletir sobre a importância de aprender a conviver com respeito e carinho para com eles. Quanto mais conhecemos os seres que habitam o Planeta Terra, mais aprendemos a conviver com eles.

Do Jornal Animal para você, leitor(a):
Saber cada vez mais sobre animais é, com certeza, o desejo de todos nós que gostamos tanto deles e sabemos da importância da multiplicação destes saberes para que, cada vez mais, mais pessoas se interessem por este conhecimento. Conhecer é o caminho para respeitar e amar os nossos semelhantes e os que são diferentes de nós. Um forte abraço para você que nos acompanha em todas as vírgulas, pontos e entrevistas. Até a próxima, se Deus quiser!

Sergio Valério


 
Busca
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal