Elisangela Gonçalves de Oliveira Nascente - Jornal Animal

Busca
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Elisangela Gonçalves de Oliveira Nascente

Seções > Quem cuida do seu Pet? > Pet Sitter e Dog Walker
                                    Elisangela Gonçalves de Oliveira Nascente é Pet Sitter.
Nesta entrevista ela nos fala de seu trabalho, repleto de amor os animais e também de seus queridos pets.
Ela resume tudo em uma bela frase: “Animais significam amor incondicional”.
Queremos dividir com você a emoção de conversarmos com Elisangela. Vamos compartilhar?

01. O que a levou a trabalhar como pet sitter?
R. Tenho uma cachorrinha da raça lhasa apso, Mel. Há 3 anos ela ficou doente, teve duas hérnias de disco, diagnóstico muito ruim. Ela não andaria mais, nem cirurgia adiantava. Rompeu a medula e teria que ter cuidados especiais, como o uso de fraldas, cadeira de rodas... Teria que ser ajudada para fazer suas necessidades, já que suas funções fisiológicas não funcionariam mais ao natural.
Então decidi reduzir os meus horários de trabalho, mas assim mesmo não funcionaram, ela continuava muito tempo sozinha.
Quando fez as fisioterapias, a médica me perguntou se já tinha pensado em cuidar de cães.
Eu disse: - Não. Sou massoterapeuta, cuido de gente.
Ela me disse: - Pense bem. Você tem muito amor com a Mel. Poderia oferecer para pessoas que precisam desse cuidado com seus pets.
Foi aí que comecei a cuidar de cães, para poder ficar mais perto da minha filha peluda e cuidar melhor dela.

02. Em que cidade você realiza o seu trabalho?
R. Moro em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Cuido dos meus hóspedes em minha casa e também, quando se faz necessário, na casa dos clientes.

03. Como é o dia a dia do trabalho?
R. Meu dia começa às 6:00 da manhã. Primeiro faço a higiene da minha Mel, a troca de fraldas, depois medicamentos para os hóspedes. Aí sirvo o café da manhã, todos comem no mesmo horário, em seguida alimento os patos do meu condomínio com milho e pão. Aí sim vou tomar meu café.
Se tenho algum cliente que está em casa me esperando vou atendê-los primeiro, abro a casa para poderem ir para o pátio fazer suas necessidades, pois geralmente ficam dentro de casa. Dou a ração e limpo a casa se tiverem feito alguma bagunça ou necessidades dentro de casa.
Volto pra minha casa pra começar os passeios, levo toda galera para passear. Após todos os hóspedes que estejam comigo já tiverem feito seus passeios, volto nas casas dos outros clientes para levá-los para passear.
Quando acabam os passeios  é hora de limpar a casa e brincar com a galera.
Às 17:00 horas começa tudo outra vez, passeios dos hóspedes, jantar, e depois dos clientes que estão nas suas casas me esperando.
Às vezes acabo meu trabalho às 22:00 horas. Aí é hora de fazer o jantar para a família e colocar a turminha para dormir.

 04. Quais são as maiores dificuldades enfrentadas em seu trabalho?
R. Bom, não tem dificuldades. A única coisa ruím é quando um cliente que você conhece precisa do serviço e já estou lotada de cliente, e ter que dizer não. Fico muito triste em dizer nãoe também quando eles vão embora depois de vários dias comigo. Acabo me apegando.

05. O que é preciso para ser uma pet sitter?
R. Muito amor aos animais, isso é muito importante. Paciência. Dedicação. Empatia com os tutores e seus pets. Muita atenção, pois são criaturinhas muitos sapecas e também ter alguma noção de cuidados comportamentais, porque cada cão tem um temperamento diferente. Saber dizer não quando vê que não vai saber lidar com aquele cãozinho. Estar sempre em contato com o tutor pra deixá-los tranquilos em relação a seu cão.

06. Como pet sitter, você cuida só de cães ou também cuida de outros animais? Se sim, quais?
R. Eu cuido de animais em geral. Porquinho da índia, papagaio, tartaruga, calopsita, coelho, galinha, gatos (esses só na casa do cliente) e pássaros, em geral.

07. O que os animais significam para você?
R. Os animais para mim são meus amores. Tenho tanto amor e carinho por eles que, mesmo quem não pode me pagar, cuido do mesmo jeito, com o mesmo amor. Tenho um grupo aqui no meu condomínio chamado Patinhas do Bem, no qual resgatamos e castramos animais que são abandonados. Então as pessoas sempre vêm ao meu encontro, para ajudar. Não meço esforços para socorrê-los. Então, o que eles significam para mim é AMOR INCONDICIONAL.

08. Você teve animais de estimação em sua infância?
R. Tive vários. Esse amor pelos animais já vem desde criança. Quando minha mãe via, lá estávamos tratando e cuidando de cachorros de ruas. Uma vez ela disse: - Se trouxerem mais um cachorro para dentro do pátio, vão morar com eles na rua. Tinha o Bobi Perdido, o Lobo, a Laica.

09. Atualmente você tem animais de estimação?
R. Tenho quatro. Três lhasas apsos e um dachshund. Meg é uma idosa que tem 14 anos, muito meiga e obediente. Já está bem velha, surda e com problemas reumáticos da idade. Chamamos ela de tia preta, pois ela cuida dos filhos da Mel. A Mel é uma lhasa apso. Tem 13 anos. É deficiente há 3 anos. Há 2 meses começamos a tratar uma diabete que está acabando com ela. Uma hora esta alta demais, outra baixa demais, mas está sendo tratada com insulina e alimentação natural. Faço toda semana com muitos legumes e arroz integral. Sid é filho da Mel. Um lhasa apso muito amoroso e brincalhão. Adora as visitas. Miney, filha da Mel, mimada e carinhosa, adora brincar. Todos os meus cães recebem super bem os hóspedes. É sempre uma farra.

10. O que você, como pet sitter, gostaria de dizer para os internautas da web revista Jornal Animal que gostam tanto de ser tutores de seus pets?
R. Gostaria de dizer para que tratem seus pets com muito amor, respeito e jamais os troquem por qualquer coisa ou pessoa. Eles são seres que tem um amor incondicional pelos humanos deles. Só precisam de amor, ração e uma caminha quentinha para dormir. Em troca nos dão muito amor, enchem nossas vidas de alegrias.
 

 
Busca
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal