Zé Béttio - Jornal Animal

Busca
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Zé Béttio

Celebridades > W - X - Y - Z
ZÉ BÉTTIO

Zé Béttio faz Rádio há 32 anos. Seu início de carreira como Comunicador foi na Rádio Difusora de Guarulhos, passando depois pelas Rádios São Paulo, Marconi, Cometa e Record. Hoje ele faz dois programas na Rádio Capital AM 1040 kHz de São Paulo, das 04:00 às 06:00 horas e das 17:00 às 19:00 horas. Há algum tempo atrás uma pesquisa apontou que ele possuía cerca de 26 milhões de ouvintes por todo o Brasil.
Além de comunicador, Zé Béttio é sanfoneiro (lançou 38 LPs e 4 CDs) e em breve estará lançando um livro contando a sua vida. Zancopé Simões é o jornalista que junto com Zé Bettio, está escrevendo o livro “Quem é? É o Zé Bettio” que está sendo elaborado com toda a seriedade e respeito que merecem os seus ouvintes que durante todos esses anos ouvem e adoram seus programas de rádio. Os animais e a natureza fazem parte da história da vida de Zé Béttio. O nosso Jornal Animal fez questão de entrevistá-lo para você conhecer o grande que ele sente por todos os animais.

O menino Zé Bettio:
Ele nasceu em uma fazenda próxima da cidade de Promissão, no noroeste do estado de São Paulo. Ele é segundo filho de Felipe e Mafalda.
O primeiro filho foi Arlindo e depois de Zé Béttio vieram Aurora, Oswaldo, Zoaldo e a caçula Osória. Zé Béttio nos conta:
“A gente morava em uma fazenda e quando falavam lá em sacrificar um porco, eu e meu irmão Arlindo saíamos de casa de madrugadinha e ficávamos em uma distância que não fosse possível ouvir o grito do animal quando estava morrendo. A gente só voltava pra casa de noite e quando íamos até o chiqueiro, nós chorávamos porque a gente tratava bem dele, dava farelo, misturava o soro do leite fazendo aquele mingau, dava milho.
Eu sempre fui muito apegado aos animais e também à natureza, em geral”.

Os primeiros animais:
“O primeiro animal que tive foi um cachorro que se chamava Sozinho. Ele dormia dentro do forno que assava pão. Depois eu tive também mais dois cachorros, o Firme e o Lulu.

Os animais de agora:
“Eu às vezes perco a conta porque se eu vejo um animal na rua, eu trago pra casa. Devem ser uns 18 cachorros.”

O respeito:
Nós temos que respeitar os animais porque o animal sente fome, dor, sono, sede, como nós sentimos. Nós temos que proteger os animais. Eu sou um protetor de animais. Eu defendo os animais. Eu acho que todo ser humano deveria se apegar aos animais e à natureza. As pessoas precisam parar, racionar e pensar melhor.

Socorrendo animais:
“Já fui socorrer animal em Sorocaba, em Santos, em Mairiporã, em Atibaia eu trouxe pra casa o Rincon, onde eu fico sabendo que tem um animal sofrendo eu vou buscá-lo. Dia 14 de outubro passado, eu estava passando em Santana, ali em frente ao Cingapura e um indivíduo sem princípios na vida, atropelou uma cachorrinha e a jogou longe. Eu peguei a cachorrinha, trouxe aqui para a Rádio Capital, dei água e mandei levar no veterinário. Por sorte, ela não fraturou nada, ela está comigo, está recuperada. Deve ter uns quatro meses Eu não sei falar: -Coitado...e ir embora... Eu quero ir lá, conferir e socorrer.
Eu tenho uma cachorrinha, a Barbina, que foi deixada na porta de casa, eu a levei ao veterinário, ele precisou inclusive de uma cirurgia. Quando eu chego em casa é uma alegria, ela não para de pular e de querer me agradar.
Está em casa comigo também um cachorrinho que eu achei na rua, o Barnabé. Também tenho a Princesa, a Bailarina, a Gorda, o Basílio, a Pantera...

Os Gatos:
Zé Bettio durante toda a sua vida trouxe também muitos gatos que estavam na rua para a sua casa. Certa vez, caminhando pela Avenida Miruna, ouviu miados em um terreno baldio. Ele foi ver o que era e encontrou uma gata dentro de um saco amarrado. Zé Béttio levou a gata para casa e “à noite ela deu cria a quatro lindos gatinhos”. Ele a chama até hoje de “Gatinha”.

A Cobra e o Veado:
“Certa vez eu estava no Mato Grosso e o meu cunhado estava dirigindo. De repente apareceu uma cobra que ia atravessar a estrada. Eu falei pra ele: -Para a caminhonete! Se você matar a cobra, você vai pra São Paulo a pé!
Logo em seguida, tinha um veadinho subindo um morro e o administrador da fazenda foi puxar o revólver pra matar o animal. Eu não deixei e falei pra ele: -Se você fizer isso, você será um monstro! Eu tomei o revólver dele, tirei as balas e depois ele até chorou porque somente quando eu falei que ele percebeu e tomou consciência do que ele iria fazer”.

O ser Humano tem tratado bem os animais?
“A gente não está generalizando não, mas eu acho que a maioria das pessoas ainda maltrata os animais. É um pecado isso. Um dia destes, eu estava em uma feira livre e vi umas 20 pessoas comendo pastéis e um cachorro de tão magro estava só a carcaça dele. Ninguém era capaz de pegar um pedacinho de comida e dar pra ele. Eu parei num posto, comprei comida pra ele e dei água. Ele deitou e dormiu. Será que as pessoas não percebem que o cachorro sente fome também?”.

O que é cuidar bem de um animal?
“Cuidar de um animal é como cuidar de um nenenzinho. O carinho é a primeira coisa, o animal percebe quando você dá carinho pra ele. Uma casa também é importante. Todos os meus cachorros têm a sua casinha para dormir. Uma boa alimentação é uma coisa importantíssima, eu nunca dei sobra de comida para um animal e também não deixo que façam isso. A alimentação dos meus cachorros é feita sob a orientação da veterinária que também providencia a vacinação e tudo o que é necessário. É preciso também ensinar o animal. Ele aprende tudo”.

As Formigas e as Baratas:
“Um dia destes, uma formiga bem grande estava na minha camisa e eu então peguei um pedaço de papel, fiz que ela subisse no papel e fui aos poucos, abaixando o papel até o chão para que ela não se machucasse e seguisse o seu caminho. Um dia destes, eu vi um cupim que havia caído na piscina aqui da Rádio Capital, eu peguei um papel e tirei ele da água. Ninguém quer morrer, não é mesmo?
Eu não mato uma barata! Tudo que está aqui na Terra foi criado por Deus. Como é que uma pessoa vai tirar a vida daquilo que foi criado por Deus?
Eu sou um homem feliz porque jamais fiz mal para nada neste mundo.

Recados

De Zé Bettio para você, leitor:
“Vocês, leitores do Jornal Animal, são iluminados por Deus, porque quem gosta de animal é uma pessoa sensível e é uma pessoa bondosa, que merece ter saúde, ter paz. Que Deus ajude e abençoe todos para que continuem tratando e cuidando, dando assistência aos animais”.

Do Jornal Animal para Zé Béttio:
Conversar com você, Zé Béttio, nos deixou felizes demais. É tão bom saber que existem pessoas como você que respeitam, amam e protegem os animais. Tenho certeza que todos que leram sua entrevista, se emocionaram como nós e se tornarão mais ainda seus fãs. Um forte abraço, Zé Béttio! Parabéns por tudo!

Do Jornal Animal para você, leitor:
Mais uma vez queremos agradecer o seu carinho e a sua atenção na leitura do nosso Jornal Animal. A intenção é sempre fazer o melhor, buscar pessoas sensíveis como você que amem e respeitem os nossos amigos animais. Até a próxima!

Sergio Valério

 
Busca
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal