Dra. Carolina Guimarães Scarlate - Jornal Animal

Busca
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Dra. Carolina Guimarães Scarlate

Seções > Entrevistas > Profissionais
Dra. Carolina Guimarães Scarlate

A médica veterinária Dra. Carolina Guimarães Scarlate nos traz importantes informações sobre como cuidar de um pet. Nesta entrevista ela também nos fala de seus queridos animais e nos diz o que os governos dos países ainda não fizeram e que precisaria ser feito em relação à proteção e cuidados com os animais.

1.   O que a levou a estudar Medicina Veterinária?
R. Sempre amei animais! Era um sonho de infância e com grande esforço da minha mãe e meu, conseguimos realizá-lo.

2.   Dentro da Medicina Veterinária, você se especializou em algum segmento?
R. Eu me especializei em clínica, cirurgia e laboratório de pequenos animais.

3.   Onde você trabalha atualmente? Em que cidade e país?
R. Atualmente faço um trabalho diferenciado de Home Vet, onde levo todos os recursos cabíveis dentro da medicina veterinária para casa dos bichinhos e seus tutores, os beneficiando assim com conforto, tranquilidade e sempre tendo como foco o bem estar do animal! Atendo em todo Vale do Paraíba.

4.   Você teve animais de estimação em sua infância? Como se chamavam e como eles eram?
R. Sim, tive dentro do possível, pois meu pai não era muito fã, mas eu e a minha mãe sempre dávamos um jeitinho de ter algum por perto…. Tivemos um cão chamado Rufles, um cocker spaniel dourado, que era muito levado (rs), tivemos também uma gatinha SRD chamada Nina, muito meiga e carinhosa, ainda tivemos o Antônio, um york shire que, por ironia do destino, acabou fazendo do meu pai sua referência!

5.   Atualmente você tem animais de estimação? Como eles se chama e como eles são? Tranquilos? Agitados?
R. Hoje, tenho muitos animais de estimação (rs), pra compensar o pouco que tive na infância (rs). Tenho 5 gatos, os quais são todos adotados. Snarf, 7 anos, é o manda chuva, Charlotte, 5 anos (quando adotei, era muito arisca), hoje é uma florzinha, Garfield, 5 anos, o nome já diz tudo (rs), Brigadeiro, 3 anos, a marcação que tem em sua face parece que comeu muito brigadeiro.... e a Cherry, 1 ano, abandonada com seus irmãos na porta de um hospital veterinário que trabalhei em São Paulo, muito meiga e amiga dos dogs...
Também tenho cães... Normadin, 4 anos, uma bulldog francês que adotei, pois foi abandonada por outra veterinária porque tinha Demodex canis, ela é muito esperta e agradecida, pois nunca me deu trabalho. Tenho também o Landau, 2 anos, um american bully que adquiri, pois nos apaixonamos pela raça, ele é um príncipe, super dócil com adultos, crianças e outros cães. Nos mudamos para uma casa e então chegou a Valente, 10 meses, uma border collie que ganhei de minha prima, uma raça para mim até então com características desconhecidas e que me surpreendeu, pois é inteligente ao extremo, com bastante energia e muito carinhosa, hoje faz parte da minha família. Há pouco tempo eu e meu marido decidimos que iremos criar american bully, pois amamos a raça, claro que com todo o respeito e amor que os animais merecem. Então adquirimos o Dodge, 8 meses, e a Zoe, 7 meses, ainda filhotes, mas estamos amando, pois eles são maravilhosos, gostosos de apertar, tranquilos mesmo ainda sendo filhotes. Uma experiência maravilhosa!

6.   O que os governos dos países ainda não fizeram e que precisaria ser feito em relação à proteção e cuidados com os animais?
R. O que falta, na minha opinião, é a instrução nas escolas para crianças, pois o cuidado e carinho com os animais deve ser aprendido desde a primeira infância! O fato é que as crianças de hoje serão nosso futuro! E para mim a medida mais importante a ser tomada é a instrução dos cuidados com a alimentação, água, proteção contra ectoparasitas, uso de coleira, limpeza de seu ambiente, amor, carinho, castração, abandono, entre outras coisas. Desta forma, acredito que veremos bons resultados em nosso país!

7.   Como se deve cuidar de um animal de estimação?
R. Em primeiro lugar, com amor, carinho e respeito. Animais devem ter cuidados especiais, assim como uma criança, pois não sabem falar de suas nec
essidades, então primeiro pensar nos cuidados básicos, como: uma boa e adequada alimentação, água sempre fresca e a vontade e o ambiente em que ficam sempre limpo (livre de fezes e urina). E então pensamos em um lugar confortável para que possam dormir, como uma caminha própria para pets, brinquedos e etc.... Ainda fundamentalmente as idas semestrais ao médico veterinário, pois com esta conduta haverá a instrução adequada quanto ao manejo preventivo de doenças (dentro destas, podemos citar: as verminoses, doenças virais, bacterianas, fúngicas, aquelas transmitidas por ectoparasitas...), ainda prevenção e tratamento de doenças endócrinas, de pele, oftálmicas, venéreas, entre muitas outras doenças.

8.   Como se deve prevenir doenças em cães e gatos?
R. Quando falamos de cuidados com animais domésticos, falamos diretamente em cuidado com saúde pública, pois algumas doenças que chamamos de zoonose são transmissíveis entre os animais e também para o ser humano, dentre estas podemos citar: leptospirose, leishmaniose, toxoplasmose e as verminoses. Essas doenças podem ser prevenidas com vacinação, vermifugação e simples cuidados de manejo. E só quem pode dar esta instrução é o Médico Veterinário pois tem conhecimento de todas estas doenças, desde a transmissão até sua profilaxia.

9.   O que você, como médica veterinária, gostaria de dizer para os internautas da web revista Jornal Animal que gostam tanto de ser tutores de seus pets?
R. Gostaria de dizer não só para os tutores que já têm e amam seus pets, mas também para aqueles que podem ter e vir a amar, que se conscientizem quanto a posse responsável! Adquirir um animalzinho significa cuidar de uma vida, de um ser vivo que depende única e exclusivamente de você, então tenham a consciência que terão gastos e trabalho, mas terão muito amor, fidelidade, carinho incondicional e companheirismo como recompensa.
 
Busca
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal