Neide e Belinha - Jornal Animal

Busca
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Neide e Belinha

Colecionador > Parte 2
Sergio Valério
 
         Neide abriu os olhos e não acreditou. Estava viva. Depois do acidente de carro era a primeira vez que ela abria os olhos e a pergunta veio rápida: E Belinha, como está?
         André hesitou, engoliu as primeiras palavras no pensamento e tentou escolher outras melhores: - Ela foi atirada para fora do carro e...
         Neide desatou a chorar e o desespero imediatamente tomou conta do seu coração. André completou a frase rapidamente: Calma, Neide... ela está viva!
         Neide sorriu e entre as lágrimas, seu olhar brilhou, afinal de contas, Belinha é a sua grande companheira há anos, desde a perda do seu marido Luis Flávio.
         André, o filho de Neide, abraçou a mãe e continuou a explicar o que havia acontecido com a cachorrinha, tão querida pela família:
         -No momento da batida, Belinha estava solta no carro e por isso, foi atirada para fora do carro. Ela perdeu as suas patas dianteiras.
         Neide mordeu os lábios, respirou fundo e perguntou: E onde ela está? Eu quero vê-la!
         André acalmou a sua mãe, dizendo que Belinha estava bem, se recuperando em uma clínica veterinária e que logo estaria em casa.
         Dias depois, Neide recebia alta do hospital e reencontrava Belinha que, com os olhos brilhando, latiu carinhosamente para a sua dona.
         A vida seguiu em frente naquela casa e, em breve, Belinha poderá caminhar com ajuda de aparelhos específicos, saindo até para passear com Neide, no tradicional passeio do fim de tarde.
         O importante é que as duas haviam sobrevivido e continuariam amigas para sempre, aliás, quando uma das duas se for, nada mudará, pois nem outros planos de vida podem apagar uma amizade tão sincera como a de um dono e seu animal.
 
Busca
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal