Dra. Luciana Ferreira - Jornal Animal

Busca
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Dra. Luciana Ferreira

Seções > Entrevistas > Profissionais > Pág. 01
A Dra. Luciana Ferreira, médica veterinária, pós-graduada em Endocrinologia e Metabologia de Pequenos Animais, é a nossa entrevistada. Ela nos traz importantes informações sobre a saúde dos pets e também nos fala de seus queridos pets.

1.O que a levou a estudar Medicina Veterinária?
R. Sem dúvidas, o amor pelos animais se manifestou já na infância. O que eu não soube reconhecer naquela época é que não era apenas amor, mas também uma vocação. Quando criança, eu fazia da varanda da minha casa o meu "consultório" de faz de conta. Como sempre tive muitos animais, pacientes não me faltavam. Era uma grande diversão para mim. "Examinava" codornas, cães, gatos e coelhos e ainda "os medicava" com seringas vazias cujas agulhas meu pai já havia descartado. Ali já existia uma veterinária. Na alma e no coração já existiam o prazer em cuidar.

2. Dentro da Medicina Veterinária, você se especializou em algum segmento?
R. Sim, sou pós graduada em Endocrinologia e Metabologia de Pequenos Animais e Especializada em Nutrição e Medicina Nutracêutica Veterinária.

3. Onde você trabalha atualmente?
R. Atendo no estado do Rio de Janeiro, na zona sul (Copacabana), em Niterói, São Gonçalo e Itaboraí. Atendo em clínicas parceiras e também faço atendimento domiciliar.

4. Você teve animais de estimação em sua infância?
R. Tive e ainda tenho muitos! Tantos que perdi a conta (rs) ! Os primeiros cães se chamavam Apache e Shana. Apache sempre fugia (contra a nossa vontade) e brigava na rua, inclusive com cabras. Eu cuidava de suas feridas sem ainda saber que um dia seria médica veterinária. Um dos meus últimos cães era cadeirante devido um atropelamento. Já o adotei nessas condições e providenciei sua cadeira. Infelizmente, ele já se foi, mas foi o cão mais feliz que já conheci! Ele me dava uma grande lição diária com sua alegria contagiante apesar de todas as suas limitações. Já tive também um porco selvagem que socorri atropelado quando ainda era filhote.
 
5. Atualmente você tem animais de estimação?
R. Tenho 3 cadelas: Amanhecer, Spirogiro e Pérola. Todas vira-latas. E 8 gatos, todos vira-latas também.

6. O que os governos (municipais, estaduais e federais) ainda não fizeram e que precisaria ser feito em relação à proteção e cuidados com os animais?
R. Muita coisa ainda precisa ser feita. Programas de castração para controle populacional deveriam existir em todas as cidades, porém nem todas possuem Centro de Controle de Zoonose. Além disso, precisamos implementar a POSSE RESPONSÁVEL. A pessoa que adota um animal tem que ser responsável por ele até o fim da sua vida. Isso inclui vaciná-lo, castrá-lo e microchipá-lo. E não para por aí, é preciso também garantir sua saúde, bem-estar e amor. Precisamos também de leis MAIS SEVERAS para abandono e maus-tratos aos animais com urgência!

7. Qual é a sua opinião sobre a alimentação natural para cães e gatos? É a ideal ou rações podem contemplar a alimentação de cães e gatos?
R. Sou a favor da alimentação natural (AN) desde que ela seja elaborada por um médico veterinário e que o tutor faça as suplementações prescritas para que não haja desequilíbrios nutricionais causando prejuízo à saúde desse animal. A AN tem suas vantagens, por não conter conservantes, corantes e fatores inflamatórios, porém não é viável para todo animal ou todo tutor. Ela requer tempo e dedicação. Precisamos também da aceitação por parte do animal. A AN pode ser direcionada para uma dieta de manutenção, no caso dos animais saudáveis, mas ela também pode agir como GRANDE ALIADA em certas doenças como obesidade, diabetes, câncer, problemas urinários, doenças intestinais, entres outras.

8. Quanto aos filhotes de cães e gatos? Teria a mesma opinião sobre o tema de alimentação? O ideal é que seja natural ou rações contemplar de forma até mais adequada?
R. A AN nos filhotes requer um acompanhamento ainda mais criterioso!! As demandas nutricionais mudam a cada semana pois o animal está em constante crescimento. Se não for realizada com o acompanhamento de um médico veterinário, pode por exemplo, ocasionar distúrbios nos minerais cálcio e fósforo levando a problemas ósseos, por exemplo. Porém quando realizada por um veterinário especializado em nutrição o filhote só tem a ganhar. A longevidade e os cuidados com saúde começam a ser proporcionados desde filhote.

9. Quais são as doenças que mais acometem cães e gatos? Como prevenir estas doenças?
R. Isso depende muito da área onde eles vivem, da idade e das circunstâncias ambientais e genéticas. Porém já sabemos que uma alimentação bem balanceada previne muitas doenças, inclusive câncer. É a nutrigenômica agindo em nossas células. Nutrigenômica é a forma como os nutrientes ingeridos influenciam em nosso genoma, determinando ou não, o desenvolvimento de certas doenças.
 
10. O que você, como médica veterinária, gostaria de dizer para os internautas da web revista Jornal Animal que gostam tanto de ser tutores de seus pets?
R. Primeira coisa: adotou um animal? Independentemente da idade, procure um médico veterinário para receber todas as instruções sobre vermifugação, vacinas, cuidados de higiene e dicas em geral. E não esqueçam que a vacina não é feita em dose única. Temos os reforços anuais ou semestrais, de acordo com a área em que esse animal vive. A cinomose por exemplo, é uma doença tristíssima que pode ser evitada com a vacinação correta realizada pelo médico veterinário. E o mais importante: trate-os com muito amor. A vida deles é curta e eles merecem!
Luciana Ferreira - CRMV RJ 9765. Médica Veterinária. Pós-Graduada em Endocrinologia e Metabologia de Pequenos Animais. Atualmente atende nas áreas de Endocrinologia e Nutrologia de Pequenos Animais no estado do Rio de Janeiro.
Contatos:
e-mail: luferreiravet@gmail.com
instagram: @vet.endocrino
celular: (21) 98653-2674
 
Busca
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal