O Dono do Mundo - Jornal Animal

Busca
Ir para o conteúdo

Menu principal:

O Dono do Mundo

Colecionador > Página 6
Sergio Valério
 
Na vitrine o casaco de peles é o objeto de desejo da moça que o observa atentamente.
Nas ruas o homem apressado aperta o passo e seus sapatos de couro pisam no asfalto.
No quadro exposto no quarto, moram para sempre borboletas sem vida.
No Canadá, mais uma foca é abatida, com ela, o número já chega a um milhão.
Na casa de campo do caçador, estática está a cabeça de um alce de olhos abertos.
Na ponta de um anzol um peixe ainda tenta escapar da foto em que irá aparecer ao lado do pescador.
No céu, um tiro atinge em cheio o peito de uma ave que cai.
Um galo agoniza e o outro está ferido, enquanto um senhor conta o dinheiro da aposta.
A carcaça de uma onça repousa como tapete de uma sala.
No mar, uma baleia em vão, tenta se desvencilhar de um arpão que lhe rasga o corpo.
Na floresta, um elefante tenta escapar de homens que querem transformar partes do seu corpo em dólares.
Na velha casa, um cachorro cego, abandonado pelo seu dono, vagueia pelos cômodos.
Com a coleira presa em correntes de ferro, um outro cão tem um metro de  espaço para andar.
Um gato procura nas latas de lixo algo para comer.
Um violento golpe derruba um boi em um matadouro.
Uma espora fere um cavalo e a novela estréia.
Uma chicotada atinge um leão.
Uma bolinha de carne com veneno faz um cachorrinho gemer até a morte.
Trimmm! O despertador toca. São oito horas da manhã.
É hora de acordar, ser humano.
 
Busca
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal