Dra. Danielle Arakelian - Jornal Animal

Busca
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Dra. Danielle Arakelian

Seções > Entrevistas > Profissionais
A médica veterinária Dra. Danielle Arakelian nos fala de sua carreira, de seus queridos pets e nos traz importantes orientações sobre como cuidar dos nossos animais.

1. O que a levou a estudar Medicina Veterinária?
R. Desde pequena já era um sonho! Animais sempre me alegravam, e aprendi a respeitá-los! Depois dessa fase, já mais madura, entendi a necessidade do Médico Veterinário diante da sociedade, não só com a saúde dos animais, mas com o controle de qualidade de alimentos de origem animal, além do controle de zoonoses - doenças que podem ser transmitidas ao homem! Quando se entende a importância dos animais na nossa vida e no mundo, não tem como não se apaixonar pela profissão!
 
2. Dentro da Medicina Veterinária, você se especializou em algum segmento?
R. Infelizmente ainda não conclui nenhum curso de especialização, mas já estão nos meus planos e projetos a especialização em Medicina Felina e Reprodução e obstetrícia (já faço inseminação artificial, acompanhamento obstétrico e cirurgia cesariana, quando necessário).
 
3. Onde você trabalha atualmente? Em que cidade e país?
R. Há pouco tempo, abri minha clínica, VetClub, na zona norte de São Paulo, em parceria com profissionais de todas as especialidades!
 
4. Você teve animais de estimação em sua infância? Atualmente você tem animais de estimação?
R. Na minha infância não pude ter animais de estimação em casa, pois cresci com a minha avó, e ela tinha muitos problemas de saúde. Com 15 anos ganhei meu primeiro pet, o Luke, hoje, tatuado na minha pele e no meu coração! Ele era um poodle, muito espuleta! O Luke me deu muitas alegrias até os seus 15 anos, sempre muito companheiro e doando muito amor a todos de casa! Atualmente, sou casada, moro em uma chácara, em Mairiporã, e tenho 12 animais - 6 cães e 6 gatos!! Os cães: Brisa (bull terrier de 8 anos), Teca (pastor alemão de 7 anos), o Chico (staffordshire bull terrier de 3 anos), A Calmina (west highland white terrier adotada, de aproximadamente 6 anos), a Cacau (uma SRD abandonada na porta de casa, com aproximadamente 10 meses) e a Mãezinha (SDR de aproximadamente 7 anos, abandonada junto com a Cacau). Eram 7 até mês passado, quando perdi minha Véia / Brahma, uma bulldog inglesa, também abandonada, na Estrada Santa Inês, já idosa, aproximadamente 11 anos, com neoplasia hepática. Ela ficou comigo 6 meses, me trouxe muitas alegrias, e partiu agradecida pelos cuidados e carinho, e eu mais agradecida ainda pelo amor que ela nos deu! Foi pouco tempo, mas uma relação muito intensa! ("Véia, mamãe te ama pra sempre!!").  Lá em casa a bagunça é garantida!!! Todos são muito ativos e adoram correr na grama e nadar na represa!!! Os gatos...ahhh... os gatos!!! Foi amor à primeira vista!!! Como a maioria das pessoas que nunca conviveram com gatos, minha infância era só cachorro!!!!! rs... e existia um "pré-conceito" meu em relação a esses bichinhos! Durante a faculdade, conheci meu marido, e ele sim, sempre teve gatos! Foi aí que a Bianca (gatinha do meu marido) tocou meu coração!!! Bianca partiu antes mesmo de terminarmos a faculdade, mas abriu todas as portas!!! Vesga Maria - Ragdoll abandonada em um petshop (o primeiro que trabalhei depois de formada), hoje ela tem 6 anos, é uma gata bastante reservada, não gosta de interagir com os outros gatos de casa, mas adora tirar uma soneca pertinho da Teca! A Piriquita, uma SRD encontrada no litoral norte de SP, me adotou! Entrou em casa, e me cativou em 1 semana (tempo que passei descansando na praia) - voltamos para casa com uma gatinha de aproximadamente 4 meses, e hoje, mais ou menos 5 anos. A Lana é uma gata muito especial, que eu adotei de uma cliente que atendi: - Chegou em uma clínica que trabalhei com uma caixa de sapato e 5 gatinhos embolados como uma bola de lã, e a gata mãe. Eles ficaram presos com o cordão umbilical por 5 dias, e ela acabou tendo uma das patinhas amputada. Mas não, ela nem sabe disso!!! rsrsrs, brinca, corre e pula como se tivesse a pata normal!! Ela é uma gata muito especial, carinhosa, dá beijos todos os dias, e gosta de dormir embaixo da coberta, de conchinha comigo!! rs rs rs... Junto com ela, adotei uma das irmãs, a Cori, mas infelizmente esta levaram de mim... ("Espero que esteja bem, minha princesinha). Depois veio o Quito! Quito é uma gatão, de 7kg, alvinegro, musculoso, esperto! Presente de uma vizinha e amiga! Companheiro, e cuida das outras gatas, já que é o único macho! Está com aproximadamente 3 anos! Como de costume, mais um resgate: A Amora veio através de um primo - foi encontrada atropelada, numa faixa de ônibus de avenida bastante movimentada... Chegou até mim com fratura completa de úmero, e com aproximadamente 2 meses... passou por cirurgia, e está ótima e serelepe, sobe em todas as árvores, e está com quase 1 ano agora!! E finalmente, a Mixirica, que tambem chegou através de uma prima, também maluca por gatos, que a encontrou na rua, gritando de fome! Mixirica é uma gata laranja, linda, e muito ligeira, que já conquistou seu espaço entre todos os "filhos" lá de casa! É a mais nova, está com 6 meses aproximadamente! Como podem perceber, eu e meu marido vivemos para eles, em forma de agradecimento por todo amor e aprendizado que nos é passado! Amor incondicional!!!
 
5. O que os governos dos países ainda não fizeram e que precisaria ser feito em relação à proteção e cuidados com os animais?
R. Acho que tanto desrespeito; e casos de maus tratos são tão recorrentes por falta de informação. Infelizmente, nossas escolas não ensinam o respeito aos animais. Aprendemos que o cachorro faz au au, o gato miau, a vaca faz mu, dá leite e carne, enfim... mas nunca me ensinaram, por exemplo, que devo respeitar os animais, nunca me ensinaram na escola que animais sentem dor, fome, saudade... Hoje já sabemos, com pesquisas e trabalhos internacionais baseados em testes com tomografia e ressonâncias magnéticas, que o organismo dos animais trabalha de maneira muito semelhante ao do homem, e que esses animais também usam o cérebro da mesma forma, manifestam emoções - saudade, tristeza, dor, frustração, estresse, etc; da mesma forma que nós humanos, só não conseguem transmitir as informações da mesma forma... então por que não colocar isso nas escolas, e conscientizar as crianças de hoje para que não maltratem animais amanhã, afim de não criarmos mais pessoas frias e sem amor pelo próximo, como muitos adultos de hoje em dia?
 
6. Como se deve cuidar de um animal de estimação?
R. Os animais estão muito humanizados, tratados como verdadeiras crianças. Existem prós e contras a respeito disso. Já sabemos que os pets sentem emoções como nós, e a grande maioria não gosta de ficar sozinha no quintal; hoje em dia eles dormem na cama, tem acesso à casa toda, inclusive sobem nos sofás! Em casa mesmo eu tenho um exemplo! A Calmina até na cadeira fica sentada quando estamos reunidos, como se entendesse tudo que conversamos!! E, de fato, entendem muitas coisas - comprovado com pesquisas que os cães podem ter um entendimento de uma criança! Acho isso perfeito quando falamos de emoções! No entanto, é extremamente prejudicial quando se trata de instinto, comportamento animal. Para se criar um pet da melhor forma possível, é preciso discernimento. Certas coisas, como alimentação, regras, ordens, não podem ser esquecidas. Um cão PRECISA de um líder. Portanto, é preciso saber educar, da mesma forma que se educa uma criança, e se impõe limites. Desta forma, a socialização, adestramento, são fundamentais para a saúde mental dos nossos pets!.
Todo pet deve ter acompanhamento veterinário sempre! As vacinas são anuais, a vermifugação deve ser feita trimestral quando tratamos animais que passeiam em parques e ruas ou que tem contato com outros animais, inclusive em creches e hotéis; a proteção contra pulgas e carrapatos também é de suma importância, visto que estes também podem transmitir doenças - existe uma variedade enorme desses produtos no nosso mercado pet (de aplicação mensal, trimestral e até semestral). Essas são as melhores formas de prevenção de doenças importantes que acometem nossos pets!

7. Como se deve prevenir doenças em cães e gatos?
R. Enfim, animais exigem cuidados em todas as fases da vida. Antes de adotar ou comprar um pet, é preciso estar ciente que ele trará custos com consultas, vacinas, banho e tosa, adestramento, recreação, alimentação, etc. É preciso saber qual é o pet mais indicado para o seu estilo de vida: um pássaro, um cão ou um gato? Dentro de cada espécie, temos comportamentos diferentes... por exemplo, eu não vou comprar um golden retriever, um boxer, ou qualquer outro animal grande e com tanta energia se eu trabalho 12h por dia... Não terei tempo de cuidar dele, e isso acarretará em problemas comportamentais e sistêmicos também em alguns casos. Igualmente, não vou ter um gato se moro em uma casa com acesso à rua - gatos com acesso à rua tem uma vida útil média de 2 anos.... Enfim, tudo tem que ser pensado. Animais podem viver até 20 anos, então não vamos esquecer desse detalhe... Animais sentem dor, fome, frio e saudades!!! Vamos respeitá-los como eles merecem!!!

8. O que você, como médica veterinária, gostaria de dizer para os internautas da web revista Jornal Animal que gostam tanto de ser tutores de seus pets?
R. Quem ama, cuida... muito!!!
 
 
 


 
 
Busca
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal